(86) 3131-1300
Teresina, 24 de Outubro de 2017
 
Publicada Quinta-feira, 05/01/2017
Mulher trabalhadora sofrerá maior impacto com reajuste da passagem

Tarifa inteira vai passar a custar R$ 3,30 a partir desta sexta. O reajuste de 55 centavos corresponde a 20% e é o quarto maior aumento entre as capitais

Em Teresina, as mulheres ganham R$ 654 a menos que os homens, em média. Elas também sofrem mais com a dupla jornada de trabalho, pois precisam dar conta dos afazeres domésticos. Não bastasse isso, as trabalhadoras ainda serão as maiores afetadas com o reajuste da passagem de ônibus, confirmado ontem pelo prefeito Firmino Filho (PSDB).

 A análise acima é do economista Ricardo Alággio. “O maior impacto na renda será para a mão-de-obra feminina, que trabalha no setor de serviços. Isso porque os homens costumam usar mais a motocicleta, o que barateia os custos com transporte. O mesmo não acontece com as mulheres, que são as principais usuárias de ônibus”, afirma Alággio.


Segundo o economista, o aumento está muito acima do razoável e só pode ser explicado com uma análise política, mais do que econômica. “Ao congelar a tarifa para os estudantes, que têm força para pressionar, o prefeito assume uma posição populista e acaba prejudicando a massa que não é organizada politicamente”, ressalta Ricardo Alággio.

Reajuste nas capitais

A tarifa inteira vai passar a custar R$ 3,30 a partir desta sexta-feira (06). O reajuste de 55 centavos corresponde a 20% e é o quarto maior aumento entre as capitais do Brasil que já anunciaram o novo preço da passagem de ônibus. Em Recife, o reajuste foi de 33,9%; em Brasília foi de 25% e no Rio de Janeiro foi de 23%.

Em Florianópolis, o reajuste foi de 11%. Em Salvador, o valor da passagem será R$ 3,60 nos ônibus comuns, já nos transportes que têm ar-condicionado o valor é R$ 5,30. Em Vitória, o reajuste chegou a 16,36%, ocasionando protestos na cidade.

As capitais com menor reajuste foram Belo Horizonte, com 9,4%; São Paulo, com 7,18% e João Pessoa, que subiu 6,18%. A passagem na capital da Paraíba é a menor do país e custa R$ 3,20.


As cidades de Fortaleza, São Luís, Maceió, Natal, Palmas, Cuiabá e as demais capitais do país ainda não começaram a discutir o aumento.

Todos os reajustes já anunciados superam o valor da inflação. Segundo o economista Ricardo Alággio, a única explicação para aumentos tão elevados é a pressão dos empresários que controlam o transporte público. “Poderia até ter algum reajuste, mas esses valores são altíssimos e vão impactar muito para quem ganha um salário mínimo”, comenta o especialista.

Considerando a renda média do trabalhador, é em Teresina onde a tarifa do transporte público vai representar maior impacto no bolso. Na capital do Pernambuco, por exemplo, o salário médio mensal corresponde a 3,3 salários mínimos, enquanto em Teresina é de apenas 2,7, de acordo com os dados do IBGE. Em Brasília e no Rio de Janeiro, que foram as capitais com 2º e 3º maior reajuste percentual, as rendas médias correspondem 5,5 e 4,4 salários mínimos, respectivamente.

Sem contrapartida


A vereadora Cida Santiago (PHS), autora de um projeto de lei que obrigava as empresas de transporte público a instalar ar-condicionado nos ônibus de Teresina, criticou o reajuste abusivo. Segundo ela, não houve melhorias que justifiquem o aumento da tarifa. “Na época disseram que não podiam colocar o ar-condicionado porque iria onerar o preço da passagem. Aí agora aumentam e não dão contrapartida alguma para o usuário”, questionou a vereadora.

A prefeitura justificou que o reajuste da tarifa foi definido com base em planilhas de custos, e levou em consideração o valor dos insumos para manutenção do sistema e os investimentos realizados para melhoria do transporte público. "A Prefeitura ressalta que o realinhamento da tarifa foi necessário para manter o serviço em funcionamento, considerando vários custos, como o salário dos servidores do sistema, que teve reajuste de 7,39%, e o preço dos veículos, que ficou em 15,24%", informou a assessoria à imprensa.

Fonte: Portal o dia

 
Centro de Apoio a mulher comerciaria
CONTRACS
Contribuição Sindical
Contribuicao Social e Federativa
Convencoes
CUT BRASIL
CUT PIAUÍ
Portaria
Sindeconpi
TVT
 
lista
20.10.2017 Relatório da CPI da Previdência deve ser apresentado na segunda (23)
20.10.2017 Campanha Nacional pela Anulação da Reforma Trabalhista
17.10.2017 'Se houver mudança na lei, mulheres serão prejudicadas', diz Maria da Penha
13.10.2017 Campanha de Filiação vai sortear prêmios mensais aos seus filiados.
11.10.2017 Creche comemora dia das crianças com programação especial
09.10.2017 LANÇAMENTO DA CAMPANHA DE FILIAÇÃO DOS COMERCIÁRIOS SERÁ DIA 13 DE OUTUBRO
09.10.2017 Parte da frota dos ônibus de Teresina paralisa nesta terça-feira
06.10.2017 Trabalho noturno provoca caos no metabolismo e danos a longo prazo
05.10.2017 Justiça condena Walmart a pagar R$ 100 mil a gerente obrigado a rebolar na frente de clientes em SP
03.10.2017 Só 20% das piauienses fazem prevenção do câncer de mama
29.09.2017 Creche desenvolve projeto de segurança pessoal e coletiva no trânsito
28.09.2017 Setre/Sine oferecem 358 vagas de empregos no dia D da Inclusão Social
28.09.2017 Empregada que engravida durante aviso prévio tem direito a estabilidade, define TST
28.09.2017 Saúde mental: Trabalhar em um emprego ruim pode ser pior do ficar desempregado
27.09.2017 Taxa do rotativo do cartão de crédito cai para 221,4% ao ano em agosto
25.09.2017 Diferença salarial entre homens e mulheres acabará em 2047, diz estudo
25.09.2017 Riachuelo é acusada pelo MP por usar terceirização para precarizar trabalhadores
22.09.2017 Sintetro anuncia paralisações diárias no transporte coletivo
22.09.2017 Creche promove atividades em homenagem ao dia da Árvore
20.09.2017 Domingo é dia de futebol no clube dos comerciários; confira os resultados dos jogos
20.09.2017 "Reforma Trabalhista é descaradamente patronal", diz desembargador Meton
19.09.2017 Jovens são os mais afetados com o desemprego, aponta Ipea
SINDCOM - Sindicato dos Empregados no Comercio e Serviço de Teresina
Rua David Caldas, 536
sindicatocomerciariothe@hotmail.com - (86) 3131-1300