86 3131-1300
Teresina, 25 de Junho de 2017
 
Publicada Quinta-feira, 05/01/2017
Mulher trabalhadora sofrerá maior impacto com reajuste da passagem

Tarifa inteira vai passar a custar R$ 3,30 a partir desta sexta. O reajuste de 55 centavos corresponde a 20% e é o quarto maior aumento entre as capitais

Em Teresina, as mulheres ganham R$ 654 a menos que os homens, em média. Elas também sofrem mais com a dupla jornada de trabalho, pois precisam dar conta dos afazeres domésticos. Não bastasse isso, as trabalhadoras ainda serão as maiores afetadas com o reajuste da passagem de ônibus, confirmado ontem pelo prefeito Firmino Filho (PSDB).

 A análise acima é do economista Ricardo Alággio. “O maior impacto na renda será para a mão-de-obra feminina, que trabalha no setor de serviços. Isso porque os homens costumam usar mais a motocicleta, o que barateia os custos com transporte. O mesmo não acontece com as mulheres, que são as principais usuárias de ônibus”, afirma Alággio.


Segundo o economista, o aumento está muito acima do razoável e só pode ser explicado com uma análise política, mais do que econômica. “Ao congelar a tarifa para os estudantes, que têm força para pressionar, o prefeito assume uma posição populista e acaba prejudicando a massa que não é organizada politicamente”, ressalta Ricardo Alággio.

Reajuste nas capitais

A tarifa inteira vai passar a custar R$ 3,30 a partir desta sexta-feira (06). O reajuste de 55 centavos corresponde a 20% e é o quarto maior aumento entre as capitais do Brasil que já anunciaram o novo preço da passagem de ônibus. Em Recife, o reajuste foi de 33,9%; em Brasília foi de 25% e no Rio de Janeiro foi de 23%.

Em Florianópolis, o reajuste foi de 11%. Em Salvador, o valor da passagem será R$ 3,60 nos ônibus comuns, já nos transportes que têm ar-condicionado o valor é R$ 5,30. Em Vitória, o reajuste chegou a 16,36%, ocasionando protestos na cidade.

As capitais com menor reajuste foram Belo Horizonte, com 9,4%; São Paulo, com 7,18% e João Pessoa, que subiu 6,18%. A passagem na capital da Paraíba é a menor do país e custa R$ 3,20.


As cidades de Fortaleza, São Luís, Maceió, Natal, Palmas, Cuiabá e as demais capitais do país ainda não começaram a discutir o aumento.

Todos os reajustes já anunciados superam o valor da inflação. Segundo o economista Ricardo Alággio, a única explicação para aumentos tão elevados é a pressão dos empresários que controlam o transporte público. “Poderia até ter algum reajuste, mas esses valores são altíssimos e vão impactar muito para quem ganha um salário mínimo”, comenta o especialista.

Considerando a renda média do trabalhador, é em Teresina onde a tarifa do transporte público vai representar maior impacto no bolso. Na capital do Pernambuco, por exemplo, o salário médio mensal corresponde a 3,3 salários mínimos, enquanto em Teresina é de apenas 2,7, de acordo com os dados do IBGE. Em Brasília e no Rio de Janeiro, que foram as capitais com 2º e 3º maior reajuste percentual, as rendas médias correspondem 5,5 e 4,4 salários mínimos, respectivamente.

Sem contrapartida


A vereadora Cida Santiago (PHS), autora de um projeto de lei que obrigava as empresas de transporte público a instalar ar-condicionado nos ônibus de Teresina, criticou o reajuste abusivo. Segundo ela, não houve melhorias que justifiquem o aumento da tarifa. “Na época disseram que não podiam colocar o ar-condicionado porque iria onerar o preço da passagem. Aí agora aumentam e não dão contrapartida alguma para o usuário”, questionou a vereadora.

A prefeitura justificou que o reajuste da tarifa foi definido com base em planilhas de custos, e levou em consideração o valor dos insumos para manutenção do sistema e os investimentos realizados para melhoria do transporte público. "A Prefeitura ressalta que o realinhamento da tarifa foi necessário para manter o serviço em funcionamento, considerando vários custos, como o salário dos servidores do sistema, que teve reajuste de 7,39%, e o preço dos veículos, que ficou em 15,24%", informou a assessoria à imprensa.

Fonte: Portal o dia

 
Centro de Apoio a mulher comerciaria
CONTRACS
Contribuição Sindical
Contribuicao Social e Federativa
Convencoes
CUT BRASIL
CUT PIAUÍ
MST
Portaria
Sindeconpi
 
lista
23.06.2017 Direção da CUT reforça greve do dia 30 contra reformas de Temer
23.06.2017 Meirelles admite que governo quer reter FGTS para economizar seguro-desemprego
23.06.2017 “O trabalho informal acaba não sendo uma questão de escolha”, diz advogado
20.06.2017 Caixa suspende financiamento imobiliário com recursos do FGTS
20.06.2017 CUT, demais centrais e movimentos sociais derrotam Temer
19.06.2017 Trabalhadores têm até 30 de junho para sacar o abono salarial de 2015
19.06.2017 Aberta as inscrições para o XXV campeonato de futebol da categoria comerciária.
14.06.2017 TRT suspende greve no comércio de Teresina até o dia 20 de junho
14.06.2017 Comissão de Trabalho aprova seguro de vida para motoboys
12.06.2017 Brasil registra aumento de trabalho infantil entre crianças de 5 a 9 anos
09.06.2017 Greve no comércio de Teresina inicia dia 16 de junho
08.06.2017 CUT/Vox Populi: 80% dos brasileiros são contra as reformas e 90% acham que não vão conseguir sustentar suas famílias
07.06.2017 Dez agências da Caixa irão abrir no sábado para saque do FGTS
07.06.2017 Trabalhadores aprovam greve no comércio este mês, caso as negociações não avancem
07.06.2017 Cesta básica: Teresina acumula a 3ª maior alta do ano entre as capitais
07.06.2017 Por 14 a 11, comissão aprova relatório de reforma trabalhista
06.06.2017 Contra 'golpe mortal', Paim apresenta alternativa a projeto de reforma trabalhista
06.06.2017 Caixa antecipa para este sábado a 4ª fase de saque de contas inativas do FGTS
02.06.2017 Novo golpe envolvendo contas do FGTS atinge usuários
31.05.2017 Comerciários de Teresina fazem assembleia para analisar proposta patronal
31.05.2017 Sem avanços, sindicato convoca categoria para assembleia geral. Veja no vídeo
29.05.2017 Com crise política, governo já estuda alternativa à reforma da Previdência
SINDCOM - Sindicato dos Empregados no Comercio e Serviço de Teresina
Rua David Caldas, 536
sindicatocomerciariothe@hotmail.com - 86 3131-1300