(86) 3131-1300
Teresina, 16 de Agosto de 2017
 
Publicada Quarta-Feira, 22/03/2017
Governo recebe 6,9 mil denúncias sobre o FGTS em 3 meses

Cerca de um terço de todos os problemas relatados por trabalhadores foi referente ao Fundo de Garantia. Estimativa da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) é de que haja 7 milhões de trabalhadores prejudicados.

O Ministério do Trabalho recebeu 6.934 denúncias de irregularidades nos depósitos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) desde que o governo anunciou a liberação do saque de contas inativas, no dia 23 de dezembro, até o dia 15 de março. Nesse mesmo período, o número total de denúncias feitas ao Ministério do Trabalho foi de 19.208, ou seja, cerca de um terço de todos os problemas relatados por trabalhadores foi referente ao FGTS. São Paulo foi o estado com o maior registro de queixas: 1.945, seguido do Rio Grande do Sul (643), de Minas Gerais (640) e Paraná (620).

O chefe da Divisão de Fiscalização do FGTS no Ministério do Trabalho, Joel Darcie, acredita que a quantidade de trabalhadores prejudicados possa ser muito maior do que o número de denúncias apresentadas. “Uma denúncia pode vir de um sindicato, o que representa centenas e até milhares de empregados prejudicados”, explica.

Somadas a essas denúncias, estão ainda as fiscalizações regulares feitas pela auditoria-fiscal do trabalho. Darcie conta que regularmente o Ministério faz confronto de informações entre os sistemas informatizados próprios e os da Caixa Econômica Federal, o que também gera constatações de irregularidades no FGTS.

Segundo a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), existem 7 milhões de trabalhadores cujos empregadores não depositaram o dinheiro, que correspondem a um débito total de R$ 24,5 bilhões inscritos na dívida ativa da União.

O que diz a lei


O depósito de FGTS está previsto na Lei 8.036/1990. Ela determina que todos os empregadores são obrigados a depositar, em conta bancária vinculada, o correspondente a 8% da remuneração do trabalhador no mês anterior. Diz ainda que os depósitos devem ocorrer mensalmente até o dia 7 e, quando a data não cair em dia útil, o recolhimento deverá ser antecipado. Além disso, as empresas são obrigadas a comunicar mensalmente os empregados sobre os valores recolhidos.

Para verificar se o depósito está ocorrendo, é preciso tirar um extrato atualizado da conta vinculada do Fundo de Garantia. O documento pode ser obtido em qualquer agência da Caixa Econômica Federal, de posse do Cartão do Trabalhador, ou da Carteira de Trabalho e o cartão ou número do PIS. Também é possível fazer isso baixando o aplicativo do FGTS no smartphone.

A Caixa só tem as informações a partir de maio de 1992. Caso o trabalhador tenha sido admitido na empresa antes dessa data, ele deve verificar na Carteira de Trabalho, na parte FGTS, qual era o banco anterior e solicitar o extrato. Com o extrato em mãos, é possível verificar se todos os meses trabalhados tiveram depósito em conta.

Como denunciar

Se o trabalhador constatar que não teve o FGTS depositado corretamente, pode formalizar denúncia contra a empresa, de forma anônima. “Ele pode procurar o sindicato representante da categoria profissional ao qual ele pertence ou uma superintendência, agência ou gerência do Ministério do Trabalho na cidade dele”, diz Darcie

A rede de atendimento está disponível no site do Ministério do Trabalho (http://trabalho.gov.br/rede-de-atendimento). Não existe prazo para fazer a reclamação. Os documentos necessários são apenas carteira de trabalho e o extrato da conta vinculada do FGTS.

O trabalhador também tem a opção de oferecer denúncia ao Ministério Público do Trabalho ou ingressar com reclamação na Justiça do Trabalho. Nos casos em que a empresa não exista mais, o trabalhador pode ingressar com uma ação na Justiça do Trabalho e requerer o pagamento do FGTS devido.

O trabalhador pode cobrar até cinco anos de FGTS não depositado. Além disso, o prazo para entrar com uma ação é de até dois anos após o desligamento da empresa. Passado esse período, o trabalhador perde o direito de ingressar com ação na Justiça do Trabalho para requisitar qualquer eventual problema de falta de pagamento de benefícios e obrigações, inclusive o FGTS

Fonte: G1

 
Centro de Apoio a mulher comerciaria
CONTRACS
Contribuição Sindical
Contribuicao Social e Federativa
Convencoes
CUT BRASIL
CUT PIAUÍ
MST
Portaria
Sindeconpi
 
lista
14.08.2017 Sindicato dos Comerciários e da Construção Civil promovem curso de marketing sindical
10.08.2017 LDO define salário mínimo de R$ 979 próximo ano
10.08.2017 Sindicatos promovem cursos de Argumentação Sindical e Marketing Sindical em Teresina
09.08.2017 Quem sacou o FGTS também receberá metade do lucro do fundo; entenda
08.08.2017 Sindicato participa de Fórum internacional sobre mudanças no trabalho
08.08.2017 Categoria comerciária destaca conquista da creche
08.08.2017 Pais participam de reunião e recebem detalhes sobre funcionamento da creche Joel Mendes
07.08.2017 Teresinense teve que trabalhar quase 90 h para pagar a cesta básica em julho
07.08.2017 Lei Maria da Penha completa 11 anos de luta
04.08.2017 INSS vai reconhecer aposentadoria por idade de forma automática
03.08.2017 Temer é rejeitado por 95% da população, e 88% defendem diretas já
01.08.2017 INSS convoca segurados para perícia; quem não for perde benefício
28.07.2017 Dirigente sindical entra na disputa por uma vaga na Assembleia Legislativa do Estado
27.07.2017 Caixa Econômica começa a pagar hoje abono do PIS/Pasep
26.07.2017 3ª Plenária Nacional aponta caminhos para a organização sindical
25.07.2017 Creche para filhos de comerciárias tem matrículas abertas
24.07.2017 Fies: Inscrições para financiamento estudantil começam amanhã
21.07.2017 Com reforma, trabalhador pode ter que pagar custos de processos atuais
20.07.2017 Descobriu que a empresa não depositou o FGTS? Veja como monitorar o saldo e tentar reaver o dinheiro
20.07.2017 'Contrato intermitente cria o boia-fria do meio urbano'
19.07.2017 Sindicato promove aulas de Zumba para categoria
18.07.2017 Reforma aumentará número de processos na Justiça do Trabalho
SINDCOM - Sindicato dos Empregados no Comercio e Serviço de Teresina
Rua David Caldas, 536
sindicatocomerciariothe@hotmail.com - (86) 3131-1300