(86) 3131-1300
Teresina, 24 de Outubro de 2017
 
Publicada Quinta-feira, 05/10/2017
Justiça condena Walmart a pagar R$ 100 mil a gerente obrigado a rebolar na frente de clientes em SP

Juízes entenderam que funcionário foi submetido a 'constrangimento' e 'tratamento desrespeitoso'. Empresa diz que 'repudia comportamento abusivo', mas que irá recorrer da decisão judicial.

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo condenou a empresa Walmart Brasil a pagar indenização de R$ 100 mil por danos morais e assédio moral a um gerente obrigado a rebolar e a cantar na frente de clientes. Em primeira instância, a juíza Juliana Rodrigues, de Barueri, havia arbitrado a condenação em R$ 20 mil, mas o valor foi aumentado pelo tribunal após o gerente recorrer da decisão.

Pelo acórdão, publicado na segunda-feira (2), os juízes da 6ª Turma do TRT entenderam que o gerente foi submetido a "constrangimento" e "tratamento desrespeitoso pelo superior hierárquico".

Em nota, a Walmart informou que "repudia incondicionalmente qualquer comportamento abusivo" e que o grito de guerra que exigia que o gerente rebolasse "tem como objetivo descontrair o ambiente de trabalho em reuniões e integrar as equipes, e, por tal motivo, a participação deve ser sem qualquer obrigatoriedade". A empresa diz que irá recorrer da decisão (veja a íntegra da nota da empresa abaixo).

O gerente, que comandava 16 funcionários, alegou na ação que o diretor do supermercado o obrigava a cantar e a rebolar durante o grito de guerra da empresa, denominado de “cheers”. O grito de guerra ocorria na frente dos clientes, o que o expunha a uma situação constrangedora.

O gerente ainda argumentou que, em certa ocasião "em que ficou quieto e sem bater palmas durante o clamor, foi puxado até o centro para cantar e rebolar”.

O gerente alegou ainda que "o diretor o chamava de burro e dizia que iria dispensá-lo". Funcionários e clientes presenciaram as agressões.

Segundo o acórdão, uma testemunha, funcionário da empresa, confirmou que o gerente passou "várias vezes" pela situação de rebolar no grito de guerra da empresa e que "os clientes riam". Uma testemunha apontada pela empresa disse, porém, que o gerente não era obrigado a participar da atividade e que "não havia punição" se ele não participasse.

Os magistrados da 6ª turma do TRT entenderam, porém, que "a comprovação de que o reclamante (gerente) era colocado várias vezes no centro das atenções para rebolar, por si só, caracteriza o dano moral, sendo a participação no 'cheers' obrigatória ou não", disse no voto o relator Edilson Soares de Lima.

Testemunhas que estavam presentes na loja também confirmaram que o superior do gerente havia chamado ele de "idiota" e "burro" e que isso acontecia todos os dias "na sala ou na frente de clientes".

O relator entendeu que a indenização arbitrada em primeira instância pela juíza foi classificado "valor irrisório, considerando a gravidade da conduta antijurídica".

Veja a íntegra da nota da Walmart sobre o caso:


"O Walmart repudia incondicionalmente qualquer comportamento abusivo e está integralmente comprometido com os valores da ética, integridade, diversidade e respeito ao individuo, contando inclusive com um comitê formado pela alta liderança para tratar desses temas. O grito de guerra da companhia tem como objetivo descontrair o ambiente de trabalho em reuniões e integrar as equipes, e, por tal motivo, a participação deve ser sem qualquer obrigatoriedade. Em relação ao caso em questão, o Walmart lamenta a decisão do Judiciário, informa que adotará as medidas necessárias para reverter a decisão."

Fonte: G1



 
Centro de Apoio a mulher comerciaria
CONTRACS
Contribuição Sindical
Contribuicao Social e Federativa
Convencoes
CUT BRASIL
CUT PIAUÍ
Portaria
Sindeconpi
TVT
 
lista
20.10.2017 Relatório da CPI da Previdência deve ser apresentado na segunda (23)
20.10.2017 Campanha Nacional pela Anulação da Reforma Trabalhista
17.10.2017 'Se houver mudança na lei, mulheres serão prejudicadas', diz Maria da Penha
13.10.2017 Campanha de Filiação vai sortear prêmios mensais aos seus filiados.
11.10.2017 Creche comemora dia das crianças com programação especial
09.10.2017 LANÇAMENTO DA CAMPANHA DE FILIAÇÃO DOS COMERCIÁRIOS SERÁ DIA 13 DE OUTUBRO
09.10.2017 Parte da frota dos ônibus de Teresina paralisa nesta terça-feira
06.10.2017 Trabalho noturno provoca caos no metabolismo e danos a longo prazo
05.10.2017 Justiça condena Walmart a pagar R$ 100 mil a gerente obrigado a rebolar na frente de clientes em SP
03.10.2017 Só 20% das piauienses fazem prevenção do câncer de mama
29.09.2017 Creche desenvolve projeto de segurança pessoal e coletiva no trânsito
28.09.2017 Setre/Sine oferecem 358 vagas de empregos no dia D da Inclusão Social
28.09.2017 Empregada que engravida durante aviso prévio tem direito a estabilidade, define TST
28.09.2017 Saúde mental: Trabalhar em um emprego ruim pode ser pior do ficar desempregado
27.09.2017 Taxa do rotativo do cartão de crédito cai para 221,4% ao ano em agosto
25.09.2017 Diferença salarial entre homens e mulheres acabará em 2047, diz estudo
25.09.2017 Riachuelo é acusada pelo MP por usar terceirização para precarizar trabalhadores
22.09.2017 Sintetro anuncia paralisações diárias no transporte coletivo
22.09.2017 Creche promove atividades em homenagem ao dia da Árvore
20.09.2017 Domingo é dia de futebol no clube dos comerciários; confira os resultados dos jogos
20.09.2017 "Reforma Trabalhista é descaradamente patronal", diz desembargador Meton
19.09.2017 Jovens são os mais afetados com o desemprego, aponta Ipea
SINDCOM - Sindicato dos Empregados no Comercio e Serviço de Teresina
Rua David Caldas, 536
sindicatocomerciariothe@hotmail.com - (86) 3131-1300