86 3131-1300
Teresina, 25 de Junho de 2017
 
Publicada Segunda-feira, 27/03/2017
Terceirização: confira o que muda com o projeto de lei aprovado pela Câmara

Criticado por sindicatos e celebrado por setores empresariais e, projeto aprovado pela Câmara fragiliza relações de trabalho ao permitir terceirização irrestrita combinada com trabalho temporário

O Projeto de Lei (PL) 4.302, aprovado na última quarta-feira (22) pela Câmara dos Deputados, que libera a terceirização para todas as atividades e regulamenta o trabalho temporário tem causado polêmicas. Comemorada, de um lado, pelo governo e por setores empresariais, que apostam na medida para aumentar a criação de emprego, a proposta é criticada pelas centrais sindicais e magistrados e especialistas em Direito do Trabalho, que afirma que as mudanças fragilizam as relações de trabalho e, portanto, impõem riscos. O texto aguarda agora sanção do presidente Michel Temer (PMDB-SP) para entrar em vigor.
 
Confira o que muda:
 
Como era

Até então, sem legislação específica sobre a terceirização, essa atividade era regulada pela Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho (TST) que permitia a terceirização apenas para as chamadas atividades-meio, ou seja, funções secundárias que não estão diretamente ligadas ao objetivo principal da empresa, como serviços de limpeza e manutenção.
 
Como fica
As empresas poderão contratar trabalhadores terceirizados para exercer cargos na atividade-fim, que são as atividades para as quais ela foi criada. A contratação de terceirizados poderá ocorrer sem restrições, seja no setor privado, seja na administração pública. Uma escola, por exemplo, vai poder operar contratando professores de uma outra empresa, e não mais diretamente.
 
Trabalho temporário

Pelas regras atuais, o trabalhador só pode ser contratado temporariamente por até três meses (90 dias). Com a proposta aprovada, o prazo para contratação passou para 6 meses, prorrogáveis por mais 90 dias. Esse limite pode ser estendido, ainda, por meio de acordo ou convenção coletiva de trabalho.
 
O trabalhador temporário poderá ser demitido a qualquer momento, e não tem direito à multa de 40% sobre o FGTS em caso de demissão sem justa causa. Quem tiver cumprido todo o período do contrato temporário (incluindo a prorrogação) só poderá ser admitido novamente pela mesma empresa contratante após 90 dias do fim do contrato.
 
Direitos
Ao trabalhador terceirizado é garantido os mesmos direitos dos empregados previstos na CLT e na Constituição Federal. Muda, contudo, a responsabilização das empresas sobre esses direitos.
 
Responsabilização das empresas
O texto aprovado prevê a responsabilização subsidiária, que define que o trabalhador terceirizado só poderá cobrar na Justiça por direitos trabalhistas da empresa contratante quando a terceirizada não tiver dinheiro ou bens para arcar com o pagamento da rescisão.
 
Essa decisão é um retrocesso em relação ao PL 4.330 (já aprovado na Câmara e em tramitação no Senado, como PLC 30) que prevê a responsabilização solidária, quando o trabalhador poderia demandar na Justiça ambas as empresas, a contratada e a contratante.
 
Terceirizados substituindo trabalhadores em greve

O projeto aprovado prevê que trabalhadores temporários poderão substituir empregados de serviços essenciais que estejam em greve ou quando a paralisação for julgada abusiva.
 
Convenções
Direitos não previstos em lei, como vale-refeição, assistência-médica e odontológica, que são definidos em convenção coletiva de cada categoria profissional, não valerão para os terceirizados.
 
Quarteirização
A empresa de terceirização terá autorização para subcontratar outras empresas para realizar serviços de contratação, remuneração e direção do trabalho, prática que é chamada de "quarteirização".

Fonte: Redação/RBA


 
Centro de Apoio a mulher comerciaria
CONTRACS
Contribuição Sindical
Contribuicao Social e Federativa
Convencoes
CUT BRASIL
CUT PIAUÍ
MST
Portaria
Sindeconpi
 
lista
23.06.2017 Direção da CUT reforça greve do dia 30 contra reformas de Temer
23.06.2017 Meirelles admite que governo quer reter FGTS para economizar seguro-desemprego
23.06.2017 “O trabalho informal acaba não sendo uma questão de escolha”, diz advogado
20.06.2017 Caixa suspende financiamento imobiliário com recursos do FGTS
20.06.2017 CUT, demais centrais e movimentos sociais derrotam Temer
19.06.2017 Trabalhadores têm até 30 de junho para sacar o abono salarial de 2015
19.06.2017 Aberta as inscrições para o XXV campeonato de futebol da categoria comerciária.
14.06.2017 TRT suspende greve no comércio de Teresina até o dia 20 de junho
14.06.2017 Comissão de Trabalho aprova seguro de vida para motoboys
12.06.2017 Brasil registra aumento de trabalho infantil entre crianças de 5 a 9 anos
09.06.2017 Greve no comércio de Teresina inicia dia 16 de junho
08.06.2017 CUT/Vox Populi: 80% dos brasileiros são contra as reformas e 90% acham que não vão conseguir sustentar suas famílias
07.06.2017 Dez agências da Caixa irão abrir no sábado para saque do FGTS
07.06.2017 Trabalhadores aprovam greve no comércio este mês, caso as negociações não avancem
07.06.2017 Cesta básica: Teresina acumula a 3ª maior alta do ano entre as capitais
07.06.2017 Por 14 a 11, comissão aprova relatório de reforma trabalhista
06.06.2017 Contra 'golpe mortal', Paim apresenta alternativa a projeto de reforma trabalhista
06.06.2017 Caixa antecipa para este sábado a 4ª fase de saque de contas inativas do FGTS
02.06.2017 Novo golpe envolvendo contas do FGTS atinge usuários
31.05.2017 Comerciários de Teresina fazem assembleia para analisar proposta patronal
31.05.2017 Sem avanços, sindicato convoca categoria para assembleia geral. Veja no vídeo
29.05.2017 Com crise política, governo já estuda alternativa à reforma da Previdência
SINDCOM - Sindicato dos Empregados no Comercio e Serviço de Teresina
Rua David Caldas, 536
sindicatocomerciariothe@hotmail.com - 86 3131-1300